PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 

Login

 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
Pessoa
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 

Galeria PQN

Ricardo Cardin
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
 
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
 
 
 
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
Mais de 12% dos usuários no Brasil infectados por malware móvel em 2017 sofreram ataques PDF Imprimir E-mail
Da redação   
01-Fev-2018
Como dizem na publicidade: o sexo vende. No entanto, no mundo online, além de garantir as vendas, a pornografia também é um instrumento de atividade maliciosa. Isso ficou óbvio quando os especialistas da Kaspersky Lab examinaram como os criminosos virtuais estão usando conteúdo para adultos em suas atividades e constaram que mais de 12% dos usuários no Brasil infectados por malware móvel em 2017 sofreram ataques relacionados a questões pornográficas que utilizaram conteúdo adulto para incentivá-los a instalar em seus dispositivos.


Segundo os pesquisadores, os temas de pornografia são mais usados no cenário de ameaças em dispositivos móveis. Nessa pesquisa, eles identificaram 23 famílias de malware que usam conteúdo pornográfico para ocultar sua verdadeira funcionalidade.


A pesquisa mostrou que, ao baixar um aplicativo de pornografia desconhecido, os usuários têm grande risco de serem infectados pelos chamados clickers. Depois da infecção, esse malware começa a clicar em links de anúncios ou tenta inscrever o usuário em uma assinatura WAP, que consome o crédito pré-pago do celular. 



Distribuição dos usuários que encontraram diferentes tipos de malware disfarçados como aplicativos com conteúdo para adultos
 

Os cavalos de Troia direcionados a bancos disfarçados em players de vídeo pornográfico são o segundo tipo mais comum de malware alimentado pela pornografia. Logo depois, estão o malware de desbloqueio do tipo rooting e o ransomware. Muitas vezes, o ransomware tem o formato de aplicativos legítimos de sites de pornografia conhecidos e, em muitos casos, ele utiliza táticas de scareware – bloqueando a tela do dispositivo e mostrando uma mensagem que informa que foi detectado conteúdo ilegal (normalmente pornografia infantil) no dispositivo e que, por isso, ele foi bloqueado. Para desbloquear o dispositivo, a vítima deve pagar um resgate.


Essa mensagem costuma vir com capturas de tela de vídeos reais de pornografia infantil.
 
 


“Embora não seja possível afirmar que os aplicativos móveis com temas pornográficos sejam tecnicamente muito diferentes dos que não utilizam o sexo em suas atividades, há alguns pormenores nos ataques com aplicativos maliciosos alimentados pela pornografia. A vítima que foi comprometida por um programa malicioso com conteúdo para adultos pensa duas vezes antes de relatar o incidente, pois o simples fato de estar tentando encontrar conteúdo pornográfico é visto negativamente. Portanto, da perspectiva do invasor, essa pessoa é uma vítima muito mais conveniente. Esse é um dos motivos por que vemos tantos ataques envolvendo malware com pornografia. O outro é muito mais simples: as pessoas estão consumindo cada vez mais conteúdo via dispositivos móveis, inclusive conteúdo para adultos”, explica Roman Unuchek, especialista em segurança da Kaspersky Lab.


Para evitar problemas com malware ou relacionados a fraudes cibernéticas quando se trata de conteúdo para adultos, a Kaspersky Lab recomenda enfaticamente que os usuários:


Para evitar problemas com malware ou relacionados a fraudes cibernéticas quando se trata de conteúdo para adultos, a Kaspersky Lab recomenda enfaticamente que os usuários:

- Utilizem apenas sites confiáveis relacionados a conteúdo para adultos. Frequentemente, os criminosos virtuais montam sites pornográficos falsos com o único objetivo de infectar as vítimas com malware.

- Não instalem aplicativos Android de fontes desconhecidas, mesmo que eles prometam acesso ao conteúdo que você está procurando. Em vez disso, use aplicativos oficiais de fontes confiáveis, como o Google Play.

- Evitem comprar contas invadidas para acessar sites de pornografia. Isso é ilegal, e essas contas podem já estar bloqueadas no momento da compra.

- Utilizem soluções de segurança de Internet confiáveis, capazes de proteger todos os seus dispositivos de qualquer tipo de ameaça cibernética, como as soluções da Kaspersky Lab.


Saiba mais sobre as ameaças que os usuários de aplicativos e sites com conteúdo para adultos enfrentam na visão geral completa, disponível aqui.

 


Exemplo de ransomware que usa táticas de scareware para fazer o usuário pagar um resgate. O público-alvo deste aplicativo é claramente de usuários dos EUA

 

 
< Anterior   Próximo >
 
 
 
 
 
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
© 2018 PQN - O Portal da Comunicação
Enviar Whatsapp Enviar Email Praça Raul Soares, 8 Sl 1201 - Centro - CEP 30180-030 - Belo Horizonte - MG - Tel.: 31 2127 4651
Design : StudentsDesign.de PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação
 
PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação PQN - O Portal da Comunicação